sábado, 20 de agosto de 2016

Vapor Branco



Quando eu for para a guerra
Empunhando minha bandeira
Apontando para a frenteira
Quero ter um fone de ouvido

Quero ouvir música tranquila
Música que me lembra da paz
Paz pela qual eu e você lutamos
E de não valorizá-la, nós erramos

A música que guardo com carinho
Dos tempos de paz, nosso cantinho
Acho que sou sentimental demais

Muitos de nós somos sentimentais
Muitos de nós, somos até demais
E não há problema algum nisso...

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

E eu sonho

 
Sonho nos mais altos dos sonhos
Aquela luz guia, brilhante
Mas como toda luz, ofusca
E você precisa usar um óculos

Mas eu não queria usar óculos
E também não queria ser ofuscado
Quero eu próprio ser fonte de luz
E jamais deixar de novo ficar cego numa cruz

Mas sábio era Mario Quintana
Que preferia enxergar as dezenas de estrelas
Do que, por um acaso, ofuscar uma só delas

E sábio não sou nem um pouco
Cometo sempre o mesmo erro louco
Mas quero descansar...

Excessos



 Hoje a noite não tem luar
Acabou a energia da cidade
Todos fecharam o olho
Apenas eu estou de pé

Comigo mesmo a conversar
Mesmo eu na tenra idade
Pensando em busca da verdade
Deitado sem ao menos notar

E como nós perdemos tempo
Teorizando e conjecturando
Por que não simplesmente fazemos?

Seriam nossos medos
Que atrapalham nossos ledos?