quinta-feira, 18 de maio de 2017

As pessoas não são más; estão apenas perdidas




O tempo passou. Nada mudou. 

Diziam os antigos sábios: "Não se pode mudar o mundo. Só pode mudar a si próprio". 

Eu concordo em parte com eles. Dependendo da interpretação que você dá a essa frase, você pode ter uma visão conformista. Nessa interpretação, o mundo é algo estático, é assim e sempre será, não será mudado e você que tem que se adaptar. Não concordo com essa interpretação.

A outra interpretação é: "O mundo só muda pelas contradições sociais, não pela força de um indivíduo isolado. Esteja bem preparado para fazer parte do todo". Essa, essa é a interpretação que eu gosto e concordo. 

E sabe, os últimos tempos têm sido de grande importância para o meu crescimento como pessoa. Eu iniciei o texto com uma frase que eu pensei após lembrar do último erro cujo arrependimento me fez ficar de molho por uns dias. Eu percebi que eu (e talvez a maioria das pessoas...) sempre acho que já aprendi o que deveria aprender e a próxima tentativa vai ser diferente... mas não, meu amigo, minha amiga. Não é bem assim que a coisa funciona. A gente se pega em situações minuciosas em que toda nossa maturidade é testada, e o que acontece? A gente falha. E se arrepende. 

A gente precisa estar numa constante "vigília" para lembrar o que a gente aprendeu, para não cometer os mesmos erros passados. Mas o maior erro é ter a certeza de que a próxima tentativa vai ser bem sucedida. A gente se cobra demais, a gente cria uma expectativa gigantesca, a gente sobe muito alto e a queda é cada vez maior e mais dolorida. 

É claro que o contrário, pensar que a próxima tentativa vai ser péssima, também não é o caminho. A gente não pode se depreciar de tal forma que nos auto-desestimulemos a procurar a felicidade. Mas então, qual é a resposta, Fausto? 

Olha, eu diria pra mim mesmo o seguinte: "Eu não sei o que vai acontecer". Eu vou tentar ser o melhor possível, vou tentar lembrar das lições que a vida me deu, mas eu não sei o que vai acontecer. Eu posso falhar de novo, posso ficar triste de novo.  Eu sei, às vezes não é fácil a gente se ver na mesma situação, se repetindo e repetindo. Não é fácil lidar com a própria sensação de fracasso. Às vezes a gente pensa em desistir. Mas algo sempre parece nos levantar. 

O apoio da família é muito importante. Triste é a realidade de que muita gente não tem esse apoio. Mais triste ainda é pensar que existem pessoas que acham que conseguir se levantar mais uma vez é algo simples, que "depende só de você". Não. As pessoas são INTERdependentes por natureza, mas algumas não têm a quem se apoiar e procuram se apoiar em meios externos, ou até liberar seus sentimentos de forma agressiva. Não existem culpados. Como diria o Criolo: as pessoas não são más; estão apenas perdidas. 

É difícil tentar entender, tanto no calor do momento quanto depois de que a ferida já está feita, que a pessoa que agride também está constantemente sendo agredida; que a pessoa que é arrogante está constantemente sofrendo na busca pela auto-afirmação. É muito difícil. 


Aprendi que é um erro contra-atacar a arrogância com uma arrogância ainda maior. Ser arrogante para o arrogante não significa que você vai colocar o arrogante no lugar dele. Pelo contrário, se você foi arrogante com o arrogante, não pode dizer que é humilde.

Bem, são inúmeros outros aprendizados e reflexões que eu tenho feito nesses últimos tempos, mas por enquanto só consegui me lembrar deles. Escrevo esse texto para ler no futuro, num momento em que eu possa estar cabisbaixo e precisar relembrar desses aprendizados, ou até mesmo pra outras pessoas lerem, porque talvez possa estar precisando também. 

Agradeço muito a você que leu até aqui, e se gostar, me deixa um comentário no link aí embaixo, ou puxa uma conversa no Facebook ou Whatsapp, porque reflexões sobre a vida é o assunto que eu mais gosto de conversar, e conversas são tão produtivas quanto a reflexão individual. 

Obrigado, meu irmão, minha irmã, meu amigo, minha amiga. Esteja em paz. 

Paz entre nós, guerra aos senhores.

Nenhum comentário: